Publicado em

Do que as crianças pequenas precisam?

Supervisão, encorajamento e paciência.
– Supervisão é importante, é aquele olhar atento que confia, mas que sabe que a ajuda poderá ser inevitável.
– Encorajamento para que as crianças se sintam motivadas e capazes de alcançar algo. Muitos desafios que parecem pequenos para nós podem ser imensos para uma criança. Desejamos que elas se sintam encorajadas para tentar.
– Paciência para preservar a saúde mental de todas e entender que o ritmo da criança é outro! Para isso não existe uma fórmula, mas existe uma construção diária que envolve autopercepção e escolhas conscientes. Sei que todos nós temos momentos difíceis, que não é todo dia que acordamos um “poço de paciência”, mas buscar essa virtude e vivê-la sempre que possível é recompensador.
– Notem que eu não falei sobre nada que não possa ser encontrado dentro de cada um. Não falei em grandes passeios, viagens, mega brinquedos da moda ou dias inteiros de atividades. Podemos praticar tudo isso da onde estivermos.
Psicóloga Tamara Maia | CRP: 11/09971.

Publicado em

Violência na infância pode deixar marcas para toda a vida

Os estudos avançam nos mais diversos campos, se tratando de desenvolvimento infantil não seria diferente. Por anos a palmada foi a “lei” que imperava em muitos lares e os estudos chegaram para avaliar os impactos dessa prática.
.
Um estudo* que avaliou os impactos da punição física concluiu que:
A punição física na infância está associada a transtornos de humor, transtornos de ansiedade, abuso / dependência de substâncias, e transtornos de personalidade em uma amostra da população geral (pesquisa feita nos EUA).
.
Esses achados informam o debate em andamento em torno do uso da punição física e fornecem evidências de que punições físicas severas, independentemente de maus-tratos na infância, estão relacionadas a transtornos mentais.
.
* http://pediatrics.aappublications.org/content/130/2/184
Fonte da pesquisa feita em 2012, para quem quiser saber mais sobre o tema.
.
Psicóloga Tamara Maia – CRP: 11/09971. Publicado em: @psicologiadainfancia.