Publicado em

Por quais motivos as crianças fazem tantas perguntas e como lidar com essa fase.

Chega um momento em que todo pai ou mãe se depara com um constante bombardeio de perguntas, você certamente concordará que às vezes nem consegue ouvir seus pensamentos, porém é importante não perder a paciência e saber que neste estágio de desenvolvimento, como em tudo, nossa disposição e orientação são cruciais para a maneira como nossos filhos se relacionam com o mundo ao longo de suas vidas.

Quais são os motivos de tantas perguntas?

A fase das perguntas geralmente aparece após os três anos de idade, nesta fase a linguagem passa por um grande desenvolvimento que lhes permite perguntar e dar informações, expressar dúvidas, sentimentos e continuar as conversas.
Por mais desafiador que possa parecer para nós, não devemos esquecer o fato de que é uma fase normal e indicativa que a linguagem e o pensamento de seu filho se desenvolvem adequadamente. As crianças têm uma necessidade incansável de explorar, manipular objetos, colocá-las em suas bocas, observar e investigar seu ambiente e, quando a linguagem aparece, há também questões que significam uma nova maneira de conhecer e investigar seu ambiente. Para lidar adequadamente com a comunicação, evitar a frustração e preservar a paciência, é muito útil que os pais saibam que, como qualquer outra etapa, é parte de um processo natural e necessário para o desenvolvimento de nossos filhos.

 

Quais habilidades as crianças desenvolvem através das perguntas?

Sendo a linguagem uma nova ferramenta para eles, eles vão querer praticá-la. Através da linguagem eles exercitam sua capacidade de perguntar e responder, imitar a entonação, ritmo de frases, palavras, novos conceitos, habilidades de compreensão ao processar a informação. Em sua mente tudo tem uma origem e um propósito, tudo tem que ter uma razão, então as perguntas os ajudam a ordenar, a entender, a expandir seu mundo e a compreendê-lo.

 

Como os pais devem agir na fase das perguntas?

Com o entendimento de que é um estágio normal de desenvolvimento, a participação dos pais é muito importante quando as crianças entram nessa fase. Eles são normalmente direcionados para nós porque somos o intermediário ou o guia através do qual eles podem obter uma explicação da realidade que estão conhecendo. A forma, a atitude e a disposição com as quais respondemos terão uma influência decisiva sobre como as crianças se relacionam com o mundo ao longo de suas vidas.O mais aconselhável é responder naturalmente, de maneira simples, agradável e interessante: com exemplos adaptados ao seu nível de entendimento, sem mentir para eles e tendo consciência do que eles podem assimilar.

O que devemos evitar?

Ignorar, ridicularizar, menosprezar a pergunta. Exemplos: “Essa é uma pergunta boba” / “Lá vem você com esse assunto novamente, que chato”.
Ridicularizar, ignorar ou punir pode levar ao desenvolvimento de timidez ou insegurança, isso pode levar ao desenvolvimento de uma crença falsa sobre si mesmo, problemas de adaptação, sensação de incapacidade ou conformidade.

Lembre-se de deixar em aberto os canais de comunicação: Essa fase das perguntas é a base para uma boa comunicação e de relação de confiança a longo prazo com o seu filho (a).

Texto de Sofía Mata (disciplinapositivaMX), traduzido e adaptado por Psicóloga Tamara Maia – CRP: 11/09971.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *